terça-feira, 8 de março de 2016

Não, suco de melão São Caetano não é a cura do câncer


Recebi pelo Facebook um link para uma postagem do blogue Cura pela Natureza. Lá é descrito o poder de uma planta medicinal capaz de curar o câncer, controlar o diabetes e, de quebra, fortalecer a imunidade do corpo. Sinistro, né? A planta em questão é chamada de melão São Caetano ou melão amargo. Conhecida cientificamente como Momordica charantia, essa planta faz parte da família Cucurbitaceae, junto com outras plantas famosas, como a abóbora, o pepino e a melancia. Ela cresce bem nas áreas tropicais e subtropicais da África, Ásia e Austrália, e foi trazida ao Brasil pelos escravos. O texto cita o Dr. Frank Shallenberger, dos Estados Unidos, que seria o descobridor dos efeitos medicinais da planta.

Fui então atrás das pesquisas publicadas pelo Dr. Shallenberger para saber mais sobre os poderes do melão São Caetano. E descobri que ele nunca publicou nenhum trabalho científico sobre a planta (na verdade, ele nunca publicou qualquer coisa!). Como que alguém descobre uma planta maravilhosa e não mostra à comunidade científica? E fica pior: uma rápida busca no Google mostra que Dr. Shallenberger tem o currículo bem manchado. Em 1994, ele teve sua licença médica cassada na Califórnia devido a várias acusações de incompetência, negligência, e desonestidade e corrupção. Dr. Shallenberger então se mudou para o estado vizinho de Nevada. Lá, também tem vários processos nas costas, incluindo um erro médico que custou a vida de um paciente, onde ele diagnosticou um câncer de cólon como hemorroidas. Em resumo: meu alerta de charlatão está em nível crítico!

Então fiz uma extensa revisão do que já foi publicado pela comunidade científica sobre o melão São Caetano e suas propriedades medicinais, e encontrei mais de 200 trabalhos (e nenhum deles do Dr. Shallenberger, obviamente)! Como é muita informações, eu vou abordar os resultados cientificamente comprovados em três diferentes postagens: hoje sobre câncer, e depois sobre diabetes e sistema imune (aquele que nos defende de infecções).

Se você procurar no Google sobre o melão São Caetano, toda a primeira página de resultados diz a mesma coisa: melão São Caetano cura o câncer. Mas eu vou ser do contra e vou dizer, com respaldo científico, que não. O único trabalho científico feito com humanos foi realizado por um grupo da Tailândia (PONGNIKORN et al., 2003). Os pesquisadores analisaram o efeito do melão São Caetano sobre mulheres com câncer de útero que estavam sendo submetidas à radioterapia. Os cientistas não observaram qualquer diferença nos tumores entre quem recebeu ou não a planta. Dessa forma, é leviano e perigoso afirmar que o melão São Caetano é capaz de curar o câncer. Todos os outros testes até hoje foram feitos apenas em células de cultura no laboratório ou em camundongos. O que não quer dizer que eles não são animadores.

Começando do começo, diversos grupos testaram os efeitos de proteínas ou compostos isolados da planta sobre células de tumores mantidas em cultura nos laboratório. Algumas proteínas purificadas do melão São Caetano são capazes de bloquear a capacidade das células de produzir outras proteínas, o que pode ser usado para evitar que o tumor cresça ou pode mata-lo. Diversos grupos de pesquisa mostraram então que essas proteínas podem agir contra vários tipos de câncer em cultura, como rim, pulmão, mama, próstata, pele, fígado, bexiga e útero (CAO et al., 2015; FAN et al., 2015; FANG et al., 2012a, 2012b, 2012c; HAO et al., 2014; LEE-HUANG et al., 2000; LI et al., 2009; LV et al., 2015; MANOHARAN; JAISWAL; SINGH, 2014; RYBAK et al., 1994; SU et al., 2009). Já a semente do melão São Caetano possui uma grande quantidade de uma gordura específica, chamada ácido linoleico conjugado. Algumas pesquisas mostraram que esse composto tem efeito antitumoral contra células de câncer de cólon e mama, e de leucemia (GROSSMANN et al., 2009; KOBORI et al., 2008; YASUI et al., 2005). Porém, essa gordura também pode ser tóxica contra as células saudáveis (KOBORI et al., 2008). Por último, diversos outros compostos foram purificados e testados, mostrando capacidade de matar células de câncer de útero, próstata, pulmão, cérebro, fígado, estômago, mama, e leucemia em cultura (AKIHISA et al., 2007; LI et al., 2012b; PITCHAKARN et al., 2011, 2012a, 2012b; SAENGSAI et al., 2015; TABATA et al., 2012; WANG et al., 2012; WENG et al., 2013; ZHANG et al., 2012; ZHAO et al., 2014). Esses resultados apenas mostram que o melão São Caetano é uma interessante fonte de novos compostos com atividade para combater tumores, e estão muito longe do comprovar que consumir a planta ajuda pessoas doentes. As proteínas provavelmente serão digeridas no estômago do paciente e vão perder seus efeitos. A gordura e os outros compostos podem não ser absorvidos ou estarem presentes em uma quantidade muito pequena, de modo que o consumo da planta mesmo que muito, não seria suficiente para atacar os tumores.

Os cientistas também testaram diferentes extratos da planta sobre as células tumorais em cultura. Ao contrário dos compostos isolados, os extratos podem ser uma aproximação melhor do consumo da planta, mas também não podem ser levados como prova cabal que o melão São Caetano cura o câncer. Isso porque os extratos feitos em laboratório costumam ser muito mais concentrados (“fortes”) do que os sucos ou chás que conseguiríamos fazer em casa. Seria como beber o xarope do guaraná natural puro no lugar de diluir em água! E o que os pesquisadores viram? O extrato da folha do melão São Caetano deixa células tumorais mais sensíveis à quimioterapia (LIMTRAKUL; KHANTAMAT; PINTHA, 2004), além de reduzir a capacidade de migração de células de câncer de próstata e pulmão (HSU et al., 2012; PITCHAKARN et al., 2010). Já as culturas de câncer de mama, faringe, estômago, cólon e reto, fígado, ovário, e adrenocarcinomas se mostram sensíveis à ação dos extratos da planta (BRENNAN; WANG; YANG, 2012; LI et al., 2012a; RAY et al., 2010; WAIYAPUT et al., 2012; YUNG et al., 2015). Porém, na contramão do que foi mostrado acima, um grupo de cientistas alemão não conseguiu ver efeito do extrato do melão São Caetano sobre células de câncer de mama (ERHARUYI et al., 2014). Essa diferença pode ter sido causada pelo uso de um diferente tipo de extrato ou de tumor de mama (esses tipos de inconsistências são comuns na Ciência, talvez até mais do que deveriam, mas isso é assunto para outra postagem).

Passando para testes em animais, os cientistas também obtiveram resultados interessantes. A injeção de proteínas purificadas do melão São Caetano em camundongos foi capaz de combater câncer de mama, próstata e fígado (CAO et al., 2015; FANG et al., 2012b; LEE-HUANG et al., 2000; SU et al., 2009). Nesses experimentos, foram usados modelos de câncer chamados de xenotransplante, onde células tumorais cultivadas em laboratório são injetadas nos animais. Essas células se desenvolvem e formam um tumor. Esse modelo é bom para se testar se compostos que combatem células tumorais nas culturas de laboratório também são capazes de fazer isso em um sistema mais complexo. Ele também ajudar a estimar a toxidade do tratamento. Assim, um grupo de pesquisadores chineses e americanos mostrou que, embora seja eficiente no combate a tumores, a proteína α-MMC é potencialmente tóxica para as células saudáveis, o que deve inviabilizar sua utilização como tratamento para o câncer em humanos (CAO et al., 2015).

O ácido linoleico conjugado presente nas sementes do melão São Caetano também foi testado em animais e foi capaz de combater tumores causados por agentes químicos em camundongos (KOHNO et al., 2002). Outros compostos isolados da planta também foram usados nesses modelos e se mostraram eficientes (AKIHISA et al., 2007; ZHANG et al., 2012). Alguns grupos também testaram o uso do extrato total do melão São Caetano que em camundongos foi capaz de reduzir a migração (PITCHAKARN et al., 2010) e causar a morte de células de câncer de próstata (PITCHAKARN et al., 2012b; RU et al., 2011). O extrato também teve atividade contra o câncer de ovário (YUNG et al., 2015).

O trabalho mais interessante sobre os possíveis efeitos do melão São Caetano sobre o câncer foi publicado há mais de 20 anos por um grupo de cientistas indianos. Os pesquisadores expuseram os camundongos a um agente químico tóxico, conhecido por causar câncer no estômago. E então suplementaram a ração dos animais com 5 % de extrato da planta. Os animais que comeram o extrato apresentaram uma redução de 70 % no aparecimento de tumores (DEEP et al., 2004).

Todos esses resultados indicam que o melão São Caetano tem potencial para fornecer novos compostos para serem trabalhados pela indústria farmacêutica. O extrato da planta apresentou alguns resultados interessantes no tratamento em animais, mas ainda não em pacientes humanos. De qualquer modo, o suco ou chá do melão São Caetano é consumido tradicionalmente na Ásia, o que mostra que ele não deve fazer mal. Se você quiser tomar, fique à vontade. Mas os pacientes com câncer nunca devem substituir o tratamento prescrito por um oncologista por qualquer outra coisa que leu na Internet (principalmente se quem recomenda é um médico não muito confiável).

Referências

AKIHISA, T. et al. Cucurbitane-type triterpenoids from the fruits of Momordica charantia and their cancer chemopreventive effects. Journal of Natural Products, v. 70, n. 8, p. 1233–1239, 2007.

BRENNAN, V. C.; WANG, C.-M.; YANG, W.-H. Bitter melon (Momordica charantia) extract suppresses adrenocortical cancer cell proliferation through modulation of the apoptotic pathway, steroidogenesis, and insulin-like growth factor type 1 receptor/RAC-α serine/threonine-protein kinase signaling. Journal of Medicinal Food, v. 15, n. 4, p. 325–334, 2012.

CAO, D. et al. Alpha-momorcharin (α-MMC) exerts effective anti-human breast tumor activities but has a narrow therapeutic window in vivo. Fitoterapia, v. 100, p. 139–149, 2015.

DEEP, G. et al. Cancer preventive potential of Momordica charantia L. against benzo(a)pyrene induced fore-stomach tumourigenesis in murine model system. Indian Journal of Experimental Biology, v. 42, n. 3, p. 319–322, 2004.

ERHARUYI, O. et al. Anticancer activity of five forest crops used in African folklore: antiproliferative and pro-apoptotic effects. Natural Product Research, p. In press, 2014.

FAN, X. et al. Α-MMC and MAP30, two ribosome-inactivating proteins extracted from Momordica charantia, induce cell cycle arrest and apoptosis in A549 human lung carcinoma cells. Molecular Medicine Reports, v. 11, n. 5, p. 3553–3558, 2015.

FANG, E. F. et al. The MAP30 protein from bitter gourd (Momordica charantia) seeds promotes apoptosis in liver cancer cells in vitro and in vivo. Cancer Letters, v. 324, n. 1, p. 66–74, 2012a.

FANG, E. F. et al. In vitro and in vivo anticarcinogenic effects of RNase MC2, a ribonuclease isolated from dietary bitter gourd, toward human liver cancer cells. International Journal of Biochemistry and Cell Biology, v. 44, n. 8, p. 1351–1360, 2012b.

FANG, E. F. et al. RNase MC2: A new Momordica charantia ribonuclease that induces apoptosis in breast cancer cells associated with activation of MAPKs and induction of caspase pathways. Apoptosis, v. 17, n. 4, p. 377–387, 2012c.

GROSSMANN, M. E. et al. Eleostearic acid inhibits breast cancer proliferation by means of an oxidation-dependent mechanism. Cancer Prevention Research, v. 2, n. 10, p. 879–886, 2009.

HAO, L. et al. Expression of Momordica charantia MAP30 and its anti-tumor effect on bladder cancer cells. Minerva Urologica e Nefrologica, p. In press, 2014.

HSU, H. Y. et al. Antimigratory effects of the methanol extract from Momordica charantia on human lung adenocarcinoma CL1 cells. Evidence-based Complementary and Alternative Medicine, v. 2012, p. 819632, 2012.

KOBORI, M. et al. α-Eleostearic acid and its dihydroxy derivative are major apoptosis-inducing components of bitter gourd. Journal of Agricultural and Food Chemistry, v. 56, n. 22, p. 10515–10520, 2008.

KOHNO, H. et al. Dietary conjugated linolenic acid inhibits azoxymethane-induced colonic aberrant crypt foci in rats. Japanese Journal of Cancer Research: Gann, v. 93, n. 2, p. 133–142, 2002.

LEE-HUANG, S. et al. Inhibition of MDA-MB-231 human breast tumor xenografts and HER2 expression by anti-tumor agents GAP31 and MAP30. Anticancer Research, v. 20, n. 2A, p. 653–659, 2000.

LI, C. et al. Momordica charantia Extract Induces Apoptosis in Human Cancer Cells through Caspase- and Mitochondria-Dependent Pathways. Evidence-Based Complementary and Alternative Medicine, v. 2012, p. 261971, 2012a.

LI, M. et al. Anti-tumor activity and immunological modification of ribosome-inactivating protein (RIP) from Momordica charantia by covalent attachment of polyethylene glycol. Acta Biochimica et Biophysica Sinica, v. 41, n. 9, p. 792–799, 2009.

LI, Y. et al. Application of high-speed counter-current chromatography coupled with a reverse micelle solvent system to separate three proteins from Momordica charantia. Journal of Chromatography B: Analytical Technologies in the Biomedical and Life Sciences, v. 895-896, p. 77–82, 2012b.

LIMTRAKUL, P.; KHANTAMAT, O.; PINTHA, K. Inhibition of P-glycoprotein activity and reversal of cancer multidrug resistance by Momordica charantia extract. Cancer Chemotherapy and Pharmacology, v. 54, n. 6, p. 525–530, 2004.

LV, Q. et al. Recombinant expression and purification of a MAP30-cell penetrating peptide fusion protein with higher anti-tumor bioactivity. Protein Expression and Purification, v. 111, p. 9–17, 2015.

MANOHARAN, G.; JAISWAL, S. R.; SINGH, J. Effect of alpha, beta momorcharin on viability, caspase activity, cytochrome c release and on cytosolic calcium levels in different cancer cell lines. Molecular and Cellular Biochemistry, v. 388, n. 1-2, p. 233–240, 2014.

PITCHAKARN, P. et al. Momordica charantia leaf extract suppresses rat prostate cancer progression in vitro and in vivo. Cancer Science, v. 101, n. 10, p. 2234–2240, 2010.

PITCHAKARN, P. et al. Induction of G1 arrest and apoptosis in androgen-dependent human prostate cancer by Kuguacin J, a triterpenoid from Momordica charantia leaf. Cancer Letters, v. 306, n. 2, p. 142–150, 2011.

PITCHAKARN, P. et al. Kuguacin J isolated from Momordica charantia leaves inhibits P-glycoprotein (ABCB1)-mediated multidrug resistance. Journal of Nutritional Biochemistry, v. 23, n. 1, p. 76–84, 2012a.

PITCHAKARN, P. et al. Kuguacin J, a triterpeniod from Momordica charantia leaf, modulates the progression of androgen-independent human prostate cancer cell line, PC3. Food and Chemical Toxicology, v. 50, n. 3-4, p. 840–847, 2012b.

PONGNIKORN, S. et al. Effect of bitter melon (Momordica charantia Linn) on level and function of natural killer cells in cervical cancer patients with radiotherapy. Journal of the Medical Association of Thailand, v. 86, n. 1, p. 61–68, 2003.

RAY, R. B. et al. Bitter Melon (Momordica charantia) extract inhibits breast cancer cell proliferation by modulating cell cycle regulatory genes and promotes apoptosis. Cancer Research, v. 70, n. 5, p. 1925–1931, 2010.

RU, P. et al. Bitter melon extract impairs prostate cancer cell-cycle progression and delays prostatic intraepithelial neoplasia in TRAMP model. Cancer Prevention Research, v. 4, n. 12, p. 2122–2130, 2011.

RYBAK, S. M. et al. In vitro anti-tumor activity of the plant ribosome inactivating proteins MAP 30 and GAP 31. International Journal of Oncology, v. 5, n. 5, p. 1171–1176, 1994.

SAENGSAI, J. et al. Antibacterial and antiproliferative activities of plumericin, an iridoid isolated from Momordica charantia vine. Evidence-based Complementary and Alternative Medicine, v. 2015, p. 823178, 2015.

SU, D. X. et al. Ribosome-inactivating proteins isolated from dietary bitter melon induce apoptosis and inhibit histone deacetylase-1 selectively in premalignant and malignant prostate cancer cells. International Journal of Cancer, v. 125, n. 4, p. 774–782, 2009.

TABATA, K. et al. Kuguaglycoside C, a constituent of Momordica charantia, induces caspase-independent cell death of neuroblastoma cells. Cancer Science, v. 103, n. 12, p. 2153–2158, 2012.

WAIYAPUT, W. et al. Inhibitory effects of crude extracts from some edible Thai plants against replication of hepatitis B virus and human liver cancer cells. BMC Complementary and Alternative Medicine, v. 12, p. 246, 2012.

WANG, X. et al. Structures of new triterpenoids and cytotoxicity activities of the isolated major compounds from the fruit of Momordica charantia L. Journal of Agricultural and Food Chemistry, v. 60, n. 15, p. 3927–3933, 2012.

WENG, J.-R. et al. Cucurbitane Triterpenoid from Momordica charantia Induces Apoptosis and Autophagy in Breast Cancer Cells, in Part, through Peroxisome Proliferator-Activated Receptor γ Activation. Evidence-based Complementary and Alternative Medicine, v. 2013, p. 935675, 2013.

YASUI, Y. et al. Bitter gourd seed fatty acid rich in 9c,11t,13t-conjugated linolenic acid induces apoptosis and up-regulates the GADD45, p53 and PPARγ in human colon cancer Caco-2 cells. Prostaglandins Leukotrienes and Essential Fatty Acids, v. 73, n. 2, p. 113–119, 2005.

YUNG, M. M. H. et al. Bitter Melon (Momordica charantia) Extract Inhibits Tumorigenicity and Overcomes Cisplatin-Resistance in Ovarian Cancer Cells Through Targeting AMPK Signaling Cascade. Integrative Cancer Therapies, p. doi: 10.1177/1534735415611747, 2015.

ZHANG, J. et al. Cucurbitane triterpenoids from the leaves of Momordica charantia, and their cancer chemopreventive effects and cytotoxicities. Chemistry and Biodiversity, v. 9, n. 2, p. 428–440, 2012.

ZHAO, G. T. et al. Cucurbitane-type triterpenoids from the stems and leaves of Momordica charantia. Fitoterapia, v. 95, p. 75–82, 2014.

26 comentários:

  1. As considerações finais são conflitantes com o título. Acho que no fundo estava procurando base contra o curanderismo, certo? então pode concluir que a planta tem grande potencial, correto?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na verdade, o título não é conflitante; os teste em humanos com extrato da planta não mostraram efeitos contra o câncer. Então um suco dela não cura a doença. Mas compostos isolados do melão apresentaram alguns efeitos em modelos de laboratório. A planta tem grande potencial como fonte de novas terapias a serem estudadas e não como a terapia em si.

      Excluir
  2. Esse título não tem nada a ver com a matéria. Contradições... fala uma coisa e no desenvolvimento do texto acaba que afirmando que o melão são Caetano faz sim algum efeito. Ate o mais simples de camomila tem efeito benéfico.Nos Estados Unidos ele tbm é usado para o tratamento da AIDS. O melão são Caetano causa a apoptose das células.. ou seja, a célula doente comete suicídio. Por favor leia as matérias em inglês pois, português é somente 0,2% e olhe la. Estudos mesmo são de países que falam em inglês.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Todas as referências do texto são em inglês. E isso não quer dizer que a pesquisa foi feita nos Estados Unidos. As pesquisas feitas no Brasil também são publicadas em inglês.

      Excluir
  3. Matéria um tanto duvidosa!!!...Tenho testemunho na família de cura de câncer com o extrato do melão de São Caetano!! Sabemos também que diversas outras plantas, homeopatia e tratamentos alternativos são usados para o câncer ficar em remissão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uma cura não indica que o tratamento funciona. Muitas outras coisas podem influenciar o resultado final. Por isso, os estudos clínicos precisam ser feitos com um número grande de pessoas e com grupos controle. Sem isso, não se pode afirmar nada.

      Excluir
  4. Será que não é dele esse site ?


    https://www.secondopinionnewsletter.com/Health-Alert-Archive/View-Archive/2172/Simple-plant-kills-up-to-98-of-cancer-cells--and-stops-diabetes.htm

    ResponderExcluir
  5. Se a medicina cientifica ainda não consiguiu descobrir algo que mata o cancer, e se sim, esconderam(há muitos rumores sobre)...ela não quer nunca que isso aconteça...se caso acontecer como ficaria a industria farmaceutica que lucra horrrores com falsas medicações que mais mata do que curam?
    Fica a dica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adorei seu texto e penso exatamente como você.

      Excluir
  6. Cara não leva a mal nao mas meu pai esta com cancer na cabeça pancreas e começou a tomar o chá da folha do melão de São Caetano e pode acreditar em pouco tempo foi fazer outros exames e o médico ficou boquiaberta ele falou que o câncer já não davá para ver coisas de 6 meses mas fazendo quimioterapia também mas o próprio médico disse nossa foi muito rápido e meu pai não falou que tomou o chá associado com cloreto de magnésio eu posso te afirmar curas naturais que médicos falam que não funcionam e mentira funciona sim todo médico fala que bronquite asmática não tem cura e é mentira eu tive bronquite asmática e alérgica comecei a fazer autohemoterapia e desafio qualquer um a colocar mofo,poeira,perto de mim fiz 2 anos e não sinto mais nada da maldita bronquite asmática mais nada mesmo agora chega no medico e fala isso para ver as curas de tudo está na natureza pode acreditar outro exemplo outra erva mastruz vem falar que não serve pra nada tambem

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como eu já disse várias vezes: um relato de cura não indica que um tratamento funcione. Vários outras fatores podem ter influenciado. Para isso existem os testes clínicos que são feitos com milhares de pacientes e grupos controle. Sem isso, não se pode afirmar nada.

      Excluir
  7. Os médicos pouco conhecem os efeitos nutricionais da alimentação e das plantas medicinais, portanto só conseguem avaliar a doença, sem preocupar-se com a raiz do problema, o que ocasionou aquele mal. Felizmente as pessoas estão cada vez mais seletivas com as opiniões dos médicos e buscando tratamentos alternativos eficazes e ¨baratos¨

    ResponderExcluir
  8. Meu caro, faz á 37 anos eu morava em Porto Velho. Tinha uma filha de 2 anos e estava grávida de 6 meses do meu filho do meio. Neste período eu peguei malária muito comum na região naqueles tempos. xx de vivaz. O que me dava muito pouca chances de vida pata mim e meu filho, no útero á 6 meses. Foram 45 dias internada no HE de Porto Velho. 1 parada cardíaca e contaminação com Hepatite o que diminuiu ainda mais minhas chances de sobreviver e de meu filho. Com 45 dias internada e após perder 20 kg. Falei com meu médico e lhe pedi alta. Queria morrer perto de minha filha que tinha apenas 2 anos. Ele me concedeu a alta diante de meus argumentos. Voltei para minha casa numa vila militar de ambulância. Nem mais andava. Meu fígado estava se dessolvendo. Mas Deus sempre coloca um anjo em nossas vidas. E naqueles dias este anjo que chamava Maria.Que nesta época era minha vizinha.Procurou uma índia e pediu ajuda, e esta índia mandou que me oferecesse chá de melão São Caetano durante 7 dias. Ela cuidou de mim e me dava o chá. No terceiro dia pela primeira vez comi sem vomitar. No sétimo dia eu já andava e cuidava de minha filha. Viajei para o sul 30 dias após a alta. Meu filho nasceu 4 horas depois do desembarque de 8 meses. Graças a Deus perfeito e saudável. Então eu posso dizer que pelas mãos de Maria e daquela índia eu hoje posso ver e brincar com meus bisnetos e netos. Devo isto ao Melão de São Caetano. E eu repassei a receita a muitas pessoas que ficaram curadas de doenças de fígado, úlceras gástricas, pancreatite, diabetes, e gastrites Esta erva é uma benção de Deus.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Novamente, um relato de cura não indica que um tratamento funcione. Vários outras fatores podem ter influenciado. Para isso existem os testes clínicos que são feitos com milhares de pacientes e grupos controle. Sem isso, não se pode afirmar nada.

      Excluir
    2. Cara para com este mesmo argumento novamente eu relato de cura não indica que um tratamento funcione toda hora você repete a mesma coisa se não tem argumento fique quieto se você não acredita cala está boca se babaca você não sabe nem o que você comeu ontem

      Excluir
    3. Isso não é o que eu acho; é um fato científico e estatístico. Tentar me ofender não vai mudar esse fato e refutar o argumento.

      Excluir
  9. Vc deve ser um daqueles médicos tradicionais,preocupado com seu lucro adquirido com a verba que recebe das indústrias farmacêuticas e sabe que a medicina alternativa é muito mais eficaz que a medicina tradicional ,que além de não obter a cura de doenças,tem diversos efeitos colaterais e um custo EXORBITANTE para os pacientes em particularidade,os que tem cancer. Nunca um médico que recebe verba de grandes indústrias do ramo irá reconhecer o poder de cura da natureza no tratamento de doenças,pois sabe que se as pessoas tratarem de maneira independente, não precisando de médico algum, o que será de vc ou dos médicos? Vc como a medicina tradicional deveriam se atualizar aceitar, que muito em breve as pessoas só irão buscar o tratamento natural para suas doenças ou prevenção destas e que a medicina tradicional corre o risco de extinguir. Aceita que dói menos!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu sou biólogo, professor da UFRJ, e não recebo (e nem poderia) nenhum dinheiro da indústria farmacêutica. Eu só resumi o que está cientificamente publicado. Desculpa te decepcionar.

      Excluir
  10. David estou agora aqui deitada em minha cama com minha irmã de 71 anos dormindo ao meu lado. Fazem exatamente hoje 30 dias que os médicos deram alta para ela com diagnóstico de câncer de fígado em metástase. O prognóstico era de duas semanas de vida. Eu a trouxe para minha casa para cuidar dela nos seus últimos dias de vida. Mas creio que estes dias estão ficando cada vez mas distantes. Desde o primeiro dia que minha irmã chegou do hospital estou tratando com uma colher de sopa do sumo do melão São Caetano. Ao chegar em casa minha irmã tomava banho de leito, não se virava na cama, não falava e ja veio com escaras do hospital onde esteve internada 34 dias. Usava fraldas, só comia papas e luquidos por canudinhos. Hoje minha irmã não tem escaras que tratei com gel de babosa. Não usa fraldas, vai ao banheiro caminhando. Almoça na mesa comigo usando talheres normalmente. Conversa, vê tv. Caminha de braço dado comigo uma quadra enteira. A diabete dela de 270 hoje não ultrapassa 140. Toma chá de pata de vaca 3 x ao dia. Não usa mais insulina. A pressão que era 20x12 hoje não ultrapassa 14x9 normalmente está em 12x8. Toda esta melhora em exatos 30 dias hoje. Sabe como? Extraio o sumo do melão São Caetano e dou uma colher de sopa em jejum. Após 30 minutos dou um chá forte de folha de graviola e dissolvo um cubo de extrato de babosa sem a casca que faço e congelo. Durante o dia ela toma cha de pata de vaca para a diabetes. Chá de folha de xuxo pra pressão e chá de folha de graviola que é mais forte que quimioterapia. Minha irmã saiu do hospital pesando 55kg. Hoje a pesei. Está com 57,800 gr. Ganhou 2:800kg em 30 dias. Consome muita linhaça moida. Aveia, frutas todas, muito alho. Cebola e limão. Muito azeite de oliva, muito vinagre de maçã. Muitos legumes, feijão e arroz integral todos os dias almoço e janta. Faz 6 refeições por dia. E pode ter certeza. Minha irmã está curada. Quinta feira agora ela tem médico. Vou pedir que facam todos os exames só pra esfregar na cara daquelas topeiras que se acham deuses.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Faz o seguinte então: mostra todos os exames para o médico da sua irmã e pede para ele escrever um artigo científico com o relato da caso, para que outros médicos e cientistas possam ter acesso os dados. Assim a comunidade científica vai poder tirar conclusões melhores e investigar o caso mais a fundo.

      Excluir
  11. Dá impressão que você tá zombando... Nenhum desses relatos fará você mudar a sua convicção, simplesmente não aceita.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não estou zombando, mas sim, nenhum desses relatos vai mudar a minha opinião porque eles não tem valor científico. Esses relatos são chamados de "evidências anedóticas", é não podem ser consideradas porque não se pode comparar com nada; não existe análise estatística; normalmente os casos onde o tratamento não funciona não é relatado, o que dá a impressão de que o tratamento funciona, mas na verdade, não; não se pode testar um relato (como saber se a pessoa está mentindo ou se confundiu com o que vi/sentiu?). Por isso, a ciência precisa se basear em dados concretos, com controles corretos e um número grande o suficiente para se tirar conclusões.

      Excluir
  12. Sou estudante de enfermagem , infelizmente sou, por reverência científica, obrigado a dar razão ao David Majerowicz, no entanto, ainda assim com base no que já foi relatado acerca do potencial de cura dos compostos do Melão de São Caetano, e sua baixa toxidade já até mesmo descritas pela ciência farmacêutica nas doses que a fitoterapia possui, creio que torna ´´palatável´´ o seu uso por paciêntes acometidos por câncer, meramente pelo direito dos pacientes lutarem por suas vidas como também pela melhora em muitos padrões biológicos que o chá proporciona.Mas aqui ainda ou além, minha sogra está com sindrome neoplásica endócrina múltipla, há metástase no pâncreas, rins, tireoide e pulmão.Ela começou a fazer uso do melão de são caetano, ela não conseguia sequer sair do quarto para cozinha sem ficar ofegante porém em 5 dias tomando cápsulas com melão de são caetano em pó já conseguiu retomar afazeres domésticos, posteriormente providenciamos outros fitoterápicos, hoje ela até vai ao supermercado e volta com as sacolas de compras. Ainda é muito recente, ela ainda está em fase de exames sequer iniciou quimio. Não foi médico que recomendou nenhum fitoterápico , mas eu mesmo os providenciei os insumos vegetais, preparei, encapsulei, e está tomando em doses bem abaixo das recomendadas porém creio que ação sinérgica de vários compostos é o que a está ajudando.Todos os que ela faz uso tem base em literatura cientifica e não conflitam entre sí biológicamente. Não vou passar formulação aqui pois o que está sendo bom para ela pode não ser bom pra outras pessoas que podem abusar de chás ou outros compostos e isso fazer mais mal do que bem.A ciência tem os seus meios, mas em determinadas causas é preciso ´´quebrar as regras´´.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu discordo que a planta, ou seu extrato, ou seu chá, ou seu suco tenha qualquer efeito sobre crescimento do tumor. Mas como falei no final do texto, não vejo problemas no paciente fazer uso visto que a planta não parece ser tóxica. Mas ele nunca deve abandonar a quimioterapia ou tratamento recomendado pelo médico especialista.

      Excluir